Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Cotados para formar chapa em 2022, Alckmin e Lula se encontram em jantar em SP

20.12.21

/ por casinhas agreste

 Agência O Globo


Geraldo Alckmin se encontrou com o ex-presidente Lula em jantar em SP - Foto: Arquivo Pessoal
Cotados para formar uma chapa para a eleição presidencial do ano que vem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador Geraldo Alckmin se encontraram publicamente pela primeira vez neste domingo (19). Os dois participaram de um jantar organizado pelo grupo de advogados Prerrogativas em um restaurante dos Jardins, Zona Sul de São Paulo.

Além de ser um sinal de aproximação entre dois antigos adversários, o encontro público entre Lula e Alckmin também é visto como mais um passo na direção da formação de uma chapa presidencial para o ano que vem. A presença no evento o de dirigentes de outros partidos que podem apoiar a candidatura do petista, como PSOL, PSD e Solidariedade,  reforçou o caráter simbólico do evento.


Alckmin e Lula já haviam se encontrado reservadamente. Segundo interlocutores, o petista nunca convidou o ex-governador a integrar a chapa. Apesar disso, ambos deram declarações públicas que convergiam para uma aproximação. Alckmin afirmou não ter "diferenças intransponíveis" em relação ao petista. Lula, por sua vez, disse que não há nada que aconteceu entre eles que não possa ser "reconciliado".

Leia também
• Datafolha: Alckmin como vice pode levar 16% a votarem em Lula• Alckmin, Haddad e França lideram corrida para governo de SP, diz Datafolha• Antes de jantar com Lula, Alckmin se encontra com presidente do PSB
O ex-governador paulista deixou o PSDB na quarta-feira da semana passada e negocia a filiação a um novo partido. Uma das hipóteses é que ele entre no PSB. Neste domingo, antes do jantar, ele se encontrou com o presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira, e com o deputado federal Marcelo Freixo, que deve ser candidato ao governo do Rio. Além disso, um dos principais articuladores de Alckmin é o seu antigo vice, Márcio França (PSB), que quer concorrer ao governo paulista com apoio do PT.

Alckmin discute, ainda, com PSD e Solidariedade. Também presente ao jantar deste domingo, o presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, reforçou que pretende apoiar Lula à Presidência e que gostaria de ter Alckmin na chapa:

— Estamos conversando, mas acho que vice-presidente não se escolhe faltando um ano. São conversas preliminares, colocamos o partido à disposição do Alckmin, se quiser ser candidato por aqui, será bem-vindo. Ele está conversando com todo mundo. Comigo, PSB, Kassab.


Acompanhados com suas esposas, Lu Alckmin e Janja, o ex-governador e o ex-presidente sentaram-se juntos em uma mesa do restaurante Figueira Rubaiyat. Eles foram acompanhados do governador do Maranhão, Flavio Dino, que recentemente trocou o PCdoB pelo PSB, pelo deputado estadual Emídio de Souza e pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT).

O jantar tem mais de 500 convidados. A lista inclui presidentes do PT, Gleisi Hoffmann, do PSD, Gilberto Kassab, do PSB, Carlos Siqueira e do MDB, Baleia Rossi. Também colocarm nome na lista parlamentares, como a senadora Simone Tebet (MDB) e o senador Renan Calheiros (MDB), e governadores, como os petistas Camilo Santana, do Ceará, e Wellington Dias, do Piauí. O ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que hoje é secretário do governo de São Paulo, comandado por João Doria (PSDB), também foi.

Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha, a entrada de Alckmin na chapa pode aumentar a possibilidade de voto no petista para 16% dos eleitores. Para 70% dos entrevistados, no entanto, a chegada do ex-governador não muda sua intenção de voto. Outros 11% dizem que adesão do ex-governador pode diminuir vontade de votar em Lula.

De acordo com o Datafolha, Lula já tem a preferência de 48% dos eleitores. Levando-se em conta a margem de erro e os votos válidos, o petista poderia vencer no primeiro turno, segundo o levantamento. Como o ex-presidente já tem um número alto de intenção de voto, a entrada de Alckmin é vista como mais importante para atrair grupos específicos, como os mais ricos, e passar uma sinalização para setores da elite de que, caso eleito, Lula não tomaria medidas radicais.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados