Responsive Ad Slot

 


Últimas Notícias

latest

Rússia nega intenção de derrubar governo da Ucrânia, os dois países fecharam um acordo para manter seis corredores humanitários

9.3.22

/ por casinhas agreste

Oficialmente, o regime de Vladimir Putin diz que seu objetivo é "desmilitarizar" e "desnazificar" o país.
A Rússia negou nesta quarta-feira, 9, que seu objetivo com a invasão à Ucrânia seja derrubar o governo do presidente Volodymyr Zelenski, que alega ser o principal alvo da ofensiva de Moscou.
Em um briefing com jornalistas, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, afirmou que houve "algum progresso" nas negociações em Belarus, garantindo que as Forças Armadas não receberam a tarefa de "derrubar o atual governo".


Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, durante entrevista coletiva em Moscou

Foto: Shamil Zhumatov

Oficialmente, o regime de Vladimir Putin diz que seu objetivo é "desmilitarizar" e "desnazificar" a Ucrânia e obter o reconhecimento da anexação da Crimeia e da soberania de Donetsk e Lugansk.

No entanto, potências ocidentais acusam a Rússia de querer instalar um governo fantoche pró-Kremlin em Kiev, assim como já acontece em Belarus, para evitar a aproximação de mais uma ex-república soviética com a União Europeia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Além disso, o próprio Zelenski disse ser o "alvo número 1" da ofensiva russa na Ucrânia.
Os dois países fecharam um acordo para manter seis corredores humanitários abertos nesta quarta-feira, envolvendo cidades como Enerhodar, Sumy, Mariupol, Volnovakha, Izium e os arredores da capital Kiev.

"Faço um apelo para que a Federação Russa assuma um compromisso público formal [de respeitar os corredores]", disse a vice-premiê da Ucrânia, Iryna Vereshchuk. "Habitantes de Volnovakha falaram comigo e me pediram que a promessa da Federação Russa seja respeitada. As pessoas precisam sair dos lugares onde estão se escondendo da chuva de mísseis que as está matando", acrescentou.

PUBLICIDADE

 
Apenas em Sumy, cerca de 5 mil civis foram evacuados na última terça-feira, 8, e levados para Poltava, que ainda não é alvo da invasão russa. Até o momento, a guerra na Ucrânia já gerou cerca de 2,2 milhões de refugiados, segundo a ONU, e centenas de milhares de deslocados internos.

Nenhum comentário

Postar um comentário

DIVULGAÇÃO

 


Veja também
© Todos os Direitos Reservados