Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

PT quer apoio oficial do PSB a Lula e não tem interesse em independência

29.9.21

/ por casinhas agreste

 Carol Brito (interina)

A direção nacional e executiva do PT já definiram que a prioridade da sigla será o fortalecimento do palanque nacional do partido. Resolução das instâncias partidárias já definiram que a discussão nos estados ficará em segundo plano e vai depender da estratégia nacional. Neste sentido, não interessa aos petistas uma nova posição de independência do PSB no cenário nacional, a exemplo de ocorreu em 2018. Naquele ano, os socialistas adotaram a neutralidade na disputa presidencial em troca de apoio dos petistas em alguns estados, incluindo Pernambuco. A estratégia visava isolar o então candidato a presidente Ciro Gomes (PDT). A leitura nas hostes petistas é de que Lula e o partido não aceitarão o mesmo acordo em 2022 e que somente interessa a legenda um apoio formal em uma mesma coligação. "A aliança com o PSB teria que ser dentro de um compromisso nacional. Lula está conversando dentro do projeto nacional e não de independência porque isso (posição independente) não vai trazer força para o palanque nacional do PT", avaliou o presidente estadual do PT, Doriel Barros. A ideia é que, a partir da aliança nacional, socialistas e petistas passem a discutir a conjuntura nos estados. “A partir da aliança nacional, vamos poder avaliar onde o PT pode contribuir com o PSB e onde o PSB pode contribuir com o PT”, avaliou. Em Pernambuco, as tratativas para a aliança avançam e são tocadas pelo vice-presidente nacional do PSB, Paulo Câmara. Ele mantém uma boa interlocução com Lula e também estreita a relação com petistas pernambucanos. Doriel Barros, o senador Humberto Costa (PT) e o deputado federal Carlos Veras (PT) são os nomes mais próximos do Palácio das Princesas. A avaliação dos dois lados é que, se as articulações seguirem na mesma linha, a tendência é que as siglas estejam no mesmo palanque, sem  independência.

Decisões pactuadas pela maioria

Após abrir mão do comando em Pernambuco do novo partido formado por DEM e PSL, o ex-ministro Mendonça Filho revela que as decisões da nova legenda vão precisar do apoio de 60% dos membros da executiva para conseguir a aprovação. Isso inclui as posições tomadas pela agremiação nas eleições de 2022. Dessa forma, as deliberações passam pela pactuação de uma maioria entre liberais e democratas.

presença virtual > Ausente no ato de filiação ao DEM do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, neste sábado, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), deverá participar do ato por meio de uma mensagem por vídeo ao novo correligionário.

articulação > O deputado federal Augusto Coutinho (Solidariedade) articula, junto ao prefeito de Verdejante, Haroldo Tavares, na Agência Nacional de Mineração para que a cidade aumente os recursos provenientes da compensação financeira pela presença de estrutura de mineração. Na cidade, está instalada uma unidade para extração de minério de ferro e ouro.

pauta econômica > O deputado federal Silvio Costa Filho (Republicanos) investe na agenda econômica na Câmara. Ele integra a Comissão Especial dos Precatórios, foi relator da autonomia do Banco Central e é autor do projeto sobre o reparcelamento das dívidas previdenciárias dos municípios.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados