Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Flávio Bolsonaro fez retiradas em conta de loja nos mesmos dias em que franquia recebeu depósitos em dinheiro, revelam extratos

25/08/2020

/ por casinhas agreste
Promotores indicam relação direta entre as contas bancárias do senador e esquema ilegal da 'rachadinha. Defesa nega qualquer irregularidade nas contas de Flávio.
Por Arthur Guimarães, Felipe Grandin e Paulo Renato Soares, Jornal Nacional e G1 Rio

Flávio Bolsonaro fez retiradas nos dias em que a loja dele recebeu depósitos em dinheiro
Uma análise dos extratos bancários da quebra de sigilo da loja de chocolates do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) mostra que o parlamentar fez retiradas, como sócio, nos mesmos dias em que a franquia recebeu depósitos em dinheiro vivo.
Os documentos revelam as operações – dia a dia – de entradas e saídas na conta bancária da loja de chocolate. O Jornal Nacional cruzou os dados e encontrou coincidência nos valores.

Loja de chocolates recebeu depósitos sucessivos e com mesmo valor
Em várias datas, Flávio Bolsonaro, como sócio da loja, fez retiradas de valores assim que a franquia recebia depósitos fracionados em dinheiro. Na maioria das vezes, os valores eram "redondos". Essas entradas e retiradas têm valores bem parecidos:

Nos dias 25 e 26 de janeiro de 2016, a loja recebeu 12 depósitos fracionados, 6 com o mesmo valor cada, R$ 3 mil em dinheiro. O valor total depositado foi de R$ 25.559. No dia 27 do mesmo ano, Flávio fez uma transferência da conta da loja pra conta pessoal dele de R$ 25.555.
Em 21 de novembro de 2017, foram depositados na franquia R$ 24.566 em dinheiro. Dos 11 depósitos fracionados, 8 têm valores redondos que somam R$ 20 mil. No mesmo dia, Flávio fez uma transferência da loja pra ele de R$ 20 mil.
Em 18 de dezembro de 2017, a franquia de chocolate recebeu R$ 35.724 em dinheiro. Foram 11 depósitos de valor redondo – 10 de R$ 3 mil e 1 de R$ 1 mil. Todos juntos somam R$ 31 mil. No mesmo dia, Flávio tirou da loja e transferiu pra conta dele R$ 30 mil.

O cruzamento indica uma movimentação que está na mira do Ministério Público. Os promotores indicam uma relação direta entre as contas bancárias de Flávio e o esquema ilegal da "rachadinha" – quando funcionários do gabinete devolvem parte dos salários pagos com dinheiro público.

Para o MP, o dinheiro seria o mesmo. Além disso, a franquia, segundo promotores, foi usada como uma "conta de passagem".

O Ministério Público aponta também a coincidência dos depósitos em dinheiro na loja no mesmo período em que o ex-assessor de Flávio, Fabrício Queiroz, arrecadava parte dos salários dos assessores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, no esquema da "rachadinha".

Também de acordo com o MP, esses "créditos espúrios" retornavam pra Flávio como lucros fictícios, com a finalidade de lavar dinheiro de crimes antecedentes.

A quebra do sigilo, com autorização da Justiça, mostra que Flávio Bolsonaro fez 54 transferências de dinheiro da franquia para a conta dele. O MP diz que é retirada de lucro. Entre 27 de março de 2015 e 30 de novembro de 2018, foram R$ 978.225.

A defesa do senador Flávio Bolsonaro nega qualquer irregularidade nas contas do senador e afirma que todas as informações sobre o caso já foram prestadas ao Ministério Público.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados