Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

CORRUPÇÃO EM PE: Três militares presos na Operação Torrentes seguem para presídio


O quarto militar preso nesta quinta-feira (9), o tenente-coronel Laurinaldo Félix, será monitorado por tornozeleira eletrônica em prisão domiciliar

Operação desarticulou um esquema de corrupção envolvendo servidores públicos do governo Estadual / Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Operação desarticulou um esquema de corrupção envolvendo servidores públicos do governo Estadual
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
JC Online

Após audiência de custódia realizada na noite desta quinta-feira (9), a Justiça Federal decidiu pelo recolhimento de três dos quatro militares presos na Operação Torrentes. Eles foram levados para a Academia de Polícia Militar de Paudalho, na Zona da Mata Norte. O quarto homem cumprirá prisão domiciliar, monitorado por uma tornozeleira eletrônica.


Relembre as ações de reconstrução na Mata Sul que estão na mira da PF
Governo de PE chama de 'espetacularização negativa' operação da PF
De acordo com a Justiça Federal, seguem para o regime fechado o coronel Fábio de Alcântara Rosendo, o coronel aposentado Waldemir José Vasconcelos de Araújo e o coronel Roberto Gomes de Melo Filho. O tenente-coronel Laurinaldo Félix do Nascimento será monitorado por tornozeleira eletrônica.

Condução coercitiva
Além dos quatro presos, outros sete militares foram conduzidos coercitivamente para prestar depoimento. Um deles foi o ex-comandante da PM, coronel Carlos D'Albuquerque.

Civis presos
De acordo com decisão da juíza titular da 36ª Vara, Carolina Souza Malta, os presos Antônio Manoel de Andrade Junior, Antônio Trajano da Rocha Neto, Heverton Soares da Silva, Ricardo Henrique Reis dos Santos, Ricardo José de Padilha Carício, e Daniel Pereira da Costa Lucas, foram encaminhados para o Centro de Observação e Triagem Professor Everaldo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. As mulheres Roseane Santos Andrade, Taciana Santos Costa, Rafaela Carrazzone da Cruz Gouveia Padilha e Rafaela Carrazzone da Cruz Gouveia Padilha foram levadas para a Colônia Penal Feminina do Recife, na Zona Oeste do Recife.



A prisão temporária é válida por cinco dias.

Operação Torrentes
A Polícia Federal realizou uma megaoperação na manhã desta quinta-feira (9) para desarticular um esquema de corrupção envolvendo servidores públicos do governo Estadual. De acordo com os investigadores, verba pública destinada para a reconstrução de cidades arrasadas por fortes chuvas no Estado foi desviada por criminosos. Viaturas da corporação foram vistas em prédios públicos como a sede do executivo estadual, o Palácio do Campo das Princesas, e da Vice-Governadoria. A Casa Militar foi o principal alvo dos agentes. Quinze mandados de prisão temporária foram expedidos pela Justiça.

De acordo com a apuração dos policiais, até R$ 450 milhões, que foram depositados pela União, na "Operação Reconstrução", para a assistência de vítimas das enchentes de junho de 2010 na Mata Sul de Pernambuco, podem ter sido desviados. Há suspeita, ainda, de que dinheiro liberado para vítimas de enchentes das chuvas de maio deste ano, na "Operação Prontidão" também foram desviados.

Além dos 15 mandados de prisão temporária, foram expedidos 36 mandados de busca e apreensão e 20 de condução coercitiva. Um mandado também foi cumprido no Estado do Pará, na região Norte do Brasil.

Contratos superfaturados
Em coletiva da Polícia Federal na manhã desta quinta, o chefe da Delegacia de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Renato Madsen, informou que diversos tipos de contratos foram superfaturados, até mesmo contratos para a compra de colchões, alimentos, filtros de água e cobertores. "Houve um conluio entre as empresas para favorecer e direcionar esses contratos para uma delas e a partir daí, com esse valor superfaturado, eles conseguem ter uma lucratividade maior e o erário fica prejudicado", afirmou


Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados