Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Náutico vence Sampaio e é campeão da Série C

06/10/2019

/ por casinhas agreste
Após dois vice-campeonatos, em 1967 e 1988, Alvirrubro pernambucano conquista sua primeira taça a nível nacional
Com o placar marcando 2 a 2, Náutico é campeão da Série C (Foto: Léo Lemos/CNC)
Demorou, mas o dia chegou. Esta pode não ser a maior glória da história centenária do Náutico, porém, o primeiro campeonato nacional conquistado pelo Timbu - a Série C de 2019 - pode ser o impulso para que o Timbu retorne aos dias de glória de craques como Bita, Gena, Lala, Ivan Brondi, Kuki e tantos outros. A conquista coroa o movimento de ressurgimento do clube iniciado em 2018 com a taça do Pernambucano, o retorno aos Aflitos e, por fim, a conquista sobre o Sampaio Corrêa, neste domingo, após o empate por 2 a 2, no Estádio Castelão, em São Luís. 
Após passar como líder do Grupo A da Série C, o Náutico passou por Paysandu e Juventude, nos pênaltis com o brilho de Jefferson e Álvaro, e teve como adversário o Sampaio Corrêa para a decisão da Terceira Divisão do campeonato nacional. E mais uma vez, os dois jogadores fizeram a diferença para o Timbu. O goleiro com importantes defesas e o atacante que fez cinco gols na fase final da Série C, o último para iniciar a reação do time pernambucano na partida. 
Agora, o Náutico terá tempo até iniciar a temporada 2020, quando retornará à Série B, mas além disso, disputará o Campeonato Pernambucano, a Copa do Nordeste e a Copa do Brasil.
Confira, em fotos, a trajetória vitoriosa do Náutico na Série C de 2019
 Ver todas
1ª rodada - 28 de abril  
ABC 2x0 Náutico - Estreia com derrota
Uma semana após perder nos pênaltis a final do Campeonato Pernambucano para o Sport, o Náutico estreava na Série C com um futebol apático e derrota por 2 a 0 para o ABC (que viria a ser rebaixado), em Natal. Do time que entrou em campo, seis jogadores atuaram também no jogo do acesso contra o Paysandu: o lateral Hereda, o zagueiro Diego Silva, os volantes Josa e Jimenez e os atacantes Thiago e Wallace Pernambucano, esse entrando no decorrer da partida. O técnico Márcio Goiano seria demitido duas rodadas depois, após a derrota para o Ferroviário, a única do time nos Aflitos.
2ª rodada - 4 de maio
Náutico 4x2 Imperatriz
Com um time misto, já que alguns titulares foram poupados visando a semifinal da Copa do Nordeste contra o Botafogo-PB, o Náutico não teve dificuldade para golear o Imperatriz e conseguir a sua primeira vitória na Série C. 
3ª rodada - 12 de maio 

Náutico 0x1 Ferroviário
Eliminado dias antes da Copa do Nordeste pelo Botafogo-PB, o técnico Márcio Goiano não resistiu a mais uma derrota. O jogo também marcou o menor público do Náutico como mandante nesta Série C. Apenas 2.635 torcedores. 
4º rodada - 18 de maio

Treze 0x1 Náutico - Começo da Era Dal Pozzo
Após estrear no comando do Náutico classificando o time na seletiva da Copa do Nordeste, diante do Campinense, o técnico Gilmar Dal Pozzo dava o seu primeiro passo à frente do time na Série C também contra um paraibano. E tendo o atacante Matheus Carvalho como principal surpresa (não atuava como titular há quatro meses), o alvirrubro se recuperou na competição. Com o gol da vitória sendo marcado justamente por Matheus Carvalho.
5ª rodada - 25/5

Confiança 1x1 Náutico
No segundo jogo de Dal Pozzo na Série C, a segunda vitória só não veio por conta de um erro grosseiro da arbitragem, que não viu um gol legítimo dos alvirrubros, quando o goleiro do Confiança espalmou a bola para dentro da meta após falta despretensiosa do lateral André Krobel. 
6ª rodada - 1/6

Náutico 2x2 Globo-RN
Um tropeço doído nos Aflitos. Após abrir 2 a 0, o Náutico teve uma queda brusca de rendimento na segunda etapa e viu o time potiguar (que viria a ser rebaixado) empatar e por pouco não virar o marcador. A partida também ficou marcada pelas graves lesões do lateral Assis e do atacante Jorge Henrique, que ficariam de fora do restante da temporada.
7ª rodada - 10/6

Sampaio Corrêa 0x2 Náutico
Contra o então líder Sampaio Corrêa, com gols de Wallace Pernambucano e Thiago, o Náutico conseguiu a reabilitação e de quebra o retorno ao G4. A partida marcou também a reestreia do goleiro Jefferson com a camisa alvirrubra.
9ª rodada - 22/6

Santa Cruz 1x0 Náutico
Em um clássico equilibrado, se saiu melhor que soube aproveitar as falhas do rival. Pelo lado do Náutico, Wallace Pernambucano desperdiçou grande chance após saída errada da defesa tricolor. Já Pipico aproveitou uma bola pessimamente recuada por Fernando Lombardi para marcar o gol da vitória do Santa. O seu quarto contra o Náutico no ano.
10ª rodada - 29/6

Náutico 1x1 ABC
Contra o lanterna ABC, mais um tropeço em casa. No banco de reservas da equipe potiguar, um velho conhecido da torcida alvirrubra. O técnico Roberto Fernandes, campeão pernambucano pelo Timbu no ano passado.
8º rodada - 3/7* (jogo remarcado por conta das chuvas)

Náutico 2x1 Botafogo-PB
O confronto precisou ser adiado por duas vezes por causa das chuvas. E quando a bola finalmente rolou, o Náutico conseguiu uma importante vitória. Que levou o time de volta à zona de classificação às quartas de final.
11ª rodada - 8/7
Imperatriz 2x0 Náutico
Após ter o volante Josa expulso ainda no primeiro tempo, o Náutico não suportou a pressão do Imperatriz, atuando fora de casa. Resultado que trouxe de volta as críticas e as cobranças em cima do elenco alvirrubro. Momento de instabilidade
12ª rodada - 15/7

Ferroviário 0x1 Náutico - A recuperação
Fora do G4 e com apenas uma vitória nos últimos quatro jogos, o Náutico chegava para enfrentar o então líder Ferroviário, no Castelão, flertando com a crise. Mas com uma atuação segura e com um gol do atacante Matheus Carvalho nos minutos finais, os alvirrubros conseguiram uma importantíssima vitória. Triunfo que deu a confiança necessária ao elenco, pôs fim ao período de irregularidade e iniciou a arrancada rumo à classificação. Até o final da 1ª fase, a equipe conquistaria mais cinco vitórias, em seis jogos. 
13ª rodada - 21/7

Náutico 1x0 Treze
Após o triunfo no Ceará, o Timbu precisava engatar uma sequência de bons resultados. E no sufoco, a segunda vitória seguida veio, com um gol de Rafael Oliveira, aos 34 minutos do segundo tempo. O atacante começava a cavar seu lugar como titular.
14ª rodada - 26/7

Náutico 3x1 Confiança
Com o gramado dos Aflitos bastante pesado por conta das chuvas, o Náutico fez um jogo de muita luta para conquistar a sua terceira vitória seguida e assumir o segundo lugar. Após sair perdendo para o então líder do grupo, os alvirrubros conseguiram a virada com Thiago, Rafael Oliveira e Matheus Carvalho. 
15ª rodada - 5/8

Globo-RN 2x0 Náutico
A sequência de vitórias foi interrompida com uma atuação apática diante do Globo. A equipe sentiu a ausência do atacante Thiago, que ficou de fora por conta de uma lesão. O Timbu queimava a gordura.
16ª rodada 12/8

Náutico 2x1 Sampaio Corrêa
Novamente pressionado, os alvirrubros voltaram a dar a resposta em uma nova vitória, de virada, com gols dos seus volantes. Josa empatou ainda no primeiro tempo e Jimenez, de pênalti na etapa final, deu ao Timbu a chance de se classificar já na rodada seguinte. 
17ª rodada - 17/8

Botafogo-PB 0x1 Náutico - A classificação
No mesmo estádio e contra o mesmo adversário que havia perdido a semifinal da Copa do Nordeste meses antes, o Náutico dessa vez voltou para o Recife com um final feliz. Em um confronto direto pela classificação às quartas de final, o Timbu, que precisava apenas de um empate, fez mais. Melhor em campo, venceu o Botafogo-PB por 1 a 0, e carimbou a sua vaga com uma rodada de antecedência. Também começava a brilhar a estrela do atacante Álvaro, que marcaria o primeiro de uma série de gols decisivos.
18ª rodada - 24/8

Náutico 3x1 Santa Cruz - O sabor de eliminar o rival
Enquanto o Náutico já estava classificado, o Santa Cruz chegava à última rodada precisando da vitória para também avançar às quartas de final. Combinação que alimentou durante a semana provocações de que os alvirrubros iriam 'facilitar' a vida dos corais. Porém, em campo, o que se viu foi o oposto. Dominando completamente a partida, o Timbu venceu o clássico por 3 a 1, garantiu o primeiro lugar no grupo e assistiu a temporada do rival acabar de forma precoce e melancólica. 
Quartas de final

Jogo de ida - 1/9

Paysandu 0x0 Náutico
Em um jogo marcado por um gramado pesado, muita tensão e poucas oportunidades de gol, o Náutico conseguiu um bom resultado em Belém. A decisão do acesso à Série B seria nos Aflitos. Lotado.
Jogo de volta - 8/9

Náutico 2 (5) x (3) 2 Paysandu - Um jogo para sempre

O dia 8 de setembro de 2019 está na história do Náutico. Não por marcar a saída da Série C, divisão onde nunca deveria ter estado, mas pelo roteiro de um jogo que não sairá das lembranças dos alvirrubros. Um jogo que enterrou uma série de estigmas atribuídos ao clube. A de morrer na praia. A de fraquejar em momentos decisivos. O suposto trauma dos pênaltis. Contra o Paysandu, o Náutico foi o oposto de tudo isso. Com os Aflitos tomado por 16.662 torcedores (maior público do estádio no ano), após estar perdendo por 2 a 0, o Timbu buscou a reação no segundo tempo, empatando a partida em uma cobrança de pênalti aos 51 minutos. Na decisão por penalidades, Jefferson defendeu um, os alvirrubros converteram todos e o que se viu depois daí foi história, com a torcida invadindo o gramado para comemorar o acesso e exorcizar vários fantasmas.
Semifinal

Jogo de ida - 15/9

Juventude 2x1 Náutico
Apesar de sair na frente e da boa atuação da equipe, o Náutico acabou desperdiçando chances de ampliar e foi castigado ao sofrer a virada nos minutos finais após cobrança em que a bola tocou no travessão e voltou nas costas do goleiro Jefferson. 
Jogo de volta - 22/9 

Náutico 2 (4) x (3) 2 Juventude - Novamente nos pênaltis

Ainda com as lembranças vivas do jogo contra o Paysandu, o torcedor do Náutico se viu novamente envolvido em uma decisão por pênaltis. Dessa vez, após abrir 2 a 0 no tempo normal, o que garantiria a classificação no tempo normal, os alvirrubros tiveram uma queda de rendimento na etapa final e deixaram o Juventude diminuir e igualar o placar agregado. Nas penalidades, porém, os gaúchos desperdiçaram duas cobranças e coube novamente a Matheus Carvalho encerrar a série e levar o Timbu para uma decisão inédita.
Final

Jogo de ida - 29/9 - Náutico 3 x 1 Sampaio Corrêa - Passo importante para a taça

No derradeiro jogo do Náutico nos Aflitos na temporada que marcou o retorno oficial ao estádio, os alvirrubros conseguiram a quarta vitória seguida sobre os maranhenses na temporada (três pela Série C e uma pela Copa do Nordeste). Mais do que isso, a vantagem de dois gols deu a tranquilidade necessária para o jogo da volta. A taça da Série C começava a ganhar os traços em vermelho e branco.
Finalíssima - Álvaro foi o autor do primeiro gol, na partida diante do Sampaio Corrêa, que garantiu o primeiro título nacional do Náutico 
Com placar em 2 a 2, Náutico se torna campeão da Série C
1ª rodada - 28 de abril  

ABC 2x0 Náutico - Estreia com derrota
Uma semana após perder nos pênaltis a final do Campeonato Pernambucano para o Sport, o Náutico estreava na Série C com um futebol apático e derrota por 2 a 0 para o ABC (que viria a ser rebaixado), em Natal. Do time que entrou em campo, seis jogadores atuaram também no jogo do acesso contra o Paysandu: o lateral Hereda, o zagueiro Diego Silva, os volantes Josa e Jimenez e os atacantes Thiago e Wallace Pernambucano, esse entrando no decorrer da partida. O técnico Márcio Goiano seria demitido duas rodadas depois, após a derrota para o Ferroviário, a única do time nos Aflitos.
2ª rodada - 4 de maio
Náutico 4x2 Imperatriz
Com um time misto, já que alguns titulares foram poupados visando a semifinal da Copa do Nordeste contra o Botafogo-PB, o Náutico não teve dificuldade para golear o Imperatriz e conseguir a sua primeira vitória na Série C. 
3ª rodada - 12 de maio 

Náutico 0x1 Ferroviário
Eliminado dias antes da Copa do Nordeste pelo Botafogo-PB, o técnico Márcio Goiano não resistiu a mais uma derrota. O jogo também marcou o menor público do Náutico como mandante nesta Série C. Apenas 2.635 torcedores. 
4º rodada - 18 de maio

Treze 0x1 Náutico - Começo da Era Dal Pozzo
Após estrear no comando do Náutico classificando o time na seletiva da Copa do Nordeste, diante do Campinense, o técnico Gilmar Dal Pozzo dava o seu primeiro passo à frente do time na Série C também contra um paraibano. E tendo o atacante Matheus Carvalho como principal surpresa (não atuava como titular há quatro meses), o alvirrubro se recuperou na competição. Com o gol da vitória sendo marcado justamente por Matheus Carvalho.
5ª rodada - 25/5

Confiança 1x1 Náutico
No segundo jogo de Dal Pozzo na Série C, a segunda vitória só não veio por conta de um erro grosseiro da arbitragem, que não viu um gol legítimo dos alvirrubros, quando o goleiro do Confiança espalmou a bola para dentro da meta após falta despretensiosa do lateral André Krobel. 
6ª rodada - 1/6

Náutico 2x2 Globo-RN
Um tropeço doído nos Aflitos. Após abrir 2 a 0, o Náutico teve uma queda brusca de rendimento na segunda etapa e viu o time potiguar (que viria a ser rebaixado) empatar e por pouco não virar o marcador. A partida também ficou marcada pelas graves lesões do lateral Assis e do atacante Jorge Henrique, que ficariam de fora do restante da temporada.
7ª rodada - 10/6

Sampaio Corrêa 0x2 Náutico
Contra o então líder Sampaio Corrêa, com gols de Wallace Pernambucano e Thiago, o Náutico conseguiu a reabilitação e de quebra o retorno ao G4. A partida marcou também a reestreia do goleiro Jefferson com a camisa alvirrubra.
9ª rodada - 22/6

Santa Cruz 1x0 Náutico
Em um clássico equilibrado, se saiu melhor que soube aproveitar as falhas do rival. Pelo lado do Náutico, Wallace Pernambucano desperdiçou grande chance após saída errada da defesa tricolor. Já Pipico aproveitou uma bola pessimamente recuada por Fernando Lombardi para marcar o gol da vitória do Santa. O seu quarto contra o Náutico no ano.
10ª rodada - 29/6

Náutico 1x1 ABC
Contra o lanterna ABC, mais um tropeço em casa. No banco de reservas da equipe potiguar, um velho conhecido da torcida alvirrubra. O técnico Roberto Fernandes, campeão pernambucano pelo Timbu no ano passado.
8º rodada - 3/7* (jogo remarcado por conta das chuvas)

Náutico 2x1 Botafogo-PB
O confronto precisou ser adiado por duas vezes por causa das chuvas. E quando a bola finalmente rolou, o Náutico conseguiu uma importante vitória. Que levou o time de volta à zona de classificação às quartas de final.
11ª rodada - 8/7
Imperatriz 2x0 Náutico
Após ter o volante Josa expulso ainda no primeiro tempo, o Náutico não suportou a pressão do Imperatriz, atuando fora de casa. Resultado que trouxe de volta as críticas e as cobranças em cima do elenco alvirrubro. Momento de instabilidade
12ª rodada - 15/7

Ferroviário 0x1 Náutico - A recuperação
Fora do G4 e com apenas uma vitória nos últimos quatro jogos, o Náutico chegava para enfrentar o então líder Ferroviário, no Castelão, flertando com a crise. Mas com uma atuação segura e com um gol do atacante Matheus Carvalho nos minutos finais, os alvirrubros conseguiram uma importantíssima vitória. Triunfo que deu a confiança necessária ao elenco, pôs fim ao período de irregularidade e iniciou a arrancada rumo à classificação. Até o final da 1ª fase, a equipe conquistaria mais cinco vitórias, em seis jogos. 


Léo Lemos/CNC
1ª rodada - 28 de abril  

ABC 2x0 Náutico - Estreia com derrota
Uma semana após perder nos pênaltis a final do Campeonato Pernambucano para o Sport, o Náutico estreava na Série C com um futebol apático e derrota por 2 a 0 para o ABC (que viria a ser rebaixado), em Natal. Do time que entrou em campo, seis jogadores atuaram também no jogo do acesso contra o Paysandu: o lateral Hereda, o zagueiro Diego Silva, os volantes Josa e Jimenez e os atacantes Thiago e Wallace Pernambucano, esse entrando no decorrer da partida. O técnico Márcio Goiano seria demitido duas rodadas depois, após a derrota para o Ferroviário, a única do time nos Aflitos.
Léo Lemos/CNC
2ª rodada - 4 de maio
Náutico 4x2 Imperatriz
Com um time misto, já que alguns titulares foram poupados visando a semifinal da Copa do Nordeste contra o Botafogo-PB, o Náutico não teve dificuldade para golear o Imperatriz e conseguir a sua primeira vitória na Série C. 
Léo Lemos/CNC
3ª rodada - 12 de maio 

Náutico 0x1 Ferroviário
Eliminado dias antes da Copa do Nordeste pelo Botafogo-PB, o técnico Márcio Goiano não resistiu a mais uma derrota. O jogo também marcou o menor público do Náutico como mandante nesta Série C. Apenas 2.635 torcedores. 
Léo Lemos/CNC
4º rodada - 18 de maio

Treze 0x1 Náutico - Começo da Era Dal Pozzo
Após estrear no comando do Náutico classificando o time na seletiva da Copa do Nordeste, diante do Campinense, o técnico Gilmar Dal Pozzo dava o seu primeiro passo à frente do time na Série C também contra um paraibano. E tendo o atacante Matheus Carvalho como principal surpresa (não atuava como titular há quatro meses), o alvirrubro se recuperou na competição. Com o gol da vitória sendo marcado justamente por Matheus Carvalho.
Léo Lemos/CNC
5ª rodada - 25/5

Confiança 1x1 Náutico
No segundo jogo de Dal Pozzo na Série C, a segunda vitória só não veio por conta de um erro grosseiro da arbitragem, que não viu um gol legítimo dos alvirrubros, quando o goleiro do Confiança espalmou a bola para dentro da meta após falta despretensiosa do lateral André Krobel. 
Léo Lemos/CNC
6ª rodada - 1/6

Náutico 2x2 Globo-RN
Um tropeço doído nos Aflitos. Após abrir 2 a 0, o Náutico teve uma queda brusca de rendimento na segunda etapa e viu o time potiguar (que viria a ser rebaixado) empatar e por pouco não virar o marcador. A partida também ficou marcada pelas graves lesões do lateral Assis e do atacante Jorge Henrique, que ficariam de fora do restante da temporada.
Léo Lemos/CNC
7ª rodada - 10/6

Sampaio Corrêa 0x2 Náutico
Contra o então líder Sampaio Corrêa, com gols de Wallace Pernambucano e Thiago, o Náutico conseguiu a reabilitação e de quebra o retorno ao G4. A partida marcou também a reestreia do goleiro Jefferson com a camisa alvirrubra.
Léo Lemos/CNC
9ª rodada - 22/6

Santa Cruz 1x0 Náutico
Em um clássico equilibrado, se saiu melhor que soube aproveitar as falhas do rival. Pelo lado do Náutico, Wallace Pernambucano desperdiçou grande chance após saída errada da defesa tricolor. Já Pipico aproveitou uma bola pessimamente recuada por Fernando Lombardi para marcar o gol da vitória do Santa. O seu quarto contra o Náutico no ano.
Léo Lemos/CNC
10ª rodada - 29/6

Náutico 1x1 ABC
Contra o lanterna ABC, mais um tropeço em casa. No banco de reservas da equipe potiguar, um velho conhecido da torcida alvirrubra. O técnico Roberto Fernandes, campeão pernambucano pelo Timbu no ano passado.
Léo Lemos/CNC
8º rodada - 3/7* (jogo remarcado por conta das chuvas)

Náutico 2x1 Botafogo-PB
O confronto precisou ser adiado por duas vezes por causa das chuvas. E quando a bola finalmente rolou, o Náutico conseguiu uma importante vitória. Que levou o time de volta à zona de classificação às quartas de final.
Anderson Candido/Assessoria Imperatriz
11ª rodada - 8/7
Imperatriz 2x0 Náutico
Após ter o volante Josa expulso ainda no primeiro tempo, o Náutico não suportou a pressão do Imperatriz, atuando fora de casa. Resultado que trouxe de volta as críticas e as cobranças em cima do elenco alvirrubro. Momento de instabilidade
Léo Lemos/CNC
12ª rodada - 15/7

Ferroviário 0x1 Náutico - A recuperação
Fora do G4 e com apenas uma vitória nos últimos quatro jogos, o Náutico chegava para enfrentar o então líder Ferroviário, no Castelão, flertando com a crise. Mas com uma atuação segura e com um gol do atacante Matheus Carvalho nos minutos finais, os alvirrubros conseguiram uma importantíssima vitória. Triunfo que deu a confiança necessária ao elenco, pôs fim ao período de irregularidade e iniciou a arrancada rumo à classificação. Até o final da 1ª fase, a equipe conquistaria mais cinco vitórias, em seis jogos. 
Léo Lemos/CNC
13ª rodada - 21/7

Náutico 1x0 Treze
Após o triunfo no Ceará, o Timbu precisava engatar uma sequência de bons resultados. E no sufoco, a segunda vitória seguida veio, com um gol de Rafael Oliveira, aos 34 minutos do segundo tempo. O atacante começava a cavar seu lugar como titular.
Léo Lemos/CNC
14ª rodada - 26/7

Náutico 3x1 Confiança
Com o gramado dos Aflitos bastante pesado por conta das chuvas, o Náutico fez um jogo de muita luta para conquistar a sua terceira vitória seguida e assumir o segundo lugar. Após sair perdendo para o então líder do grupo, os alvirrubros conseguiram a virada com Thiago, Rafael Oliveira e Matheus Carvalho. 
Léo Lemos/CNC
15ª rodada - 5/8

Globo-RN 2x0 Náutico
A sequência de vitórias foi interrompida com uma atuação apática diante do Globo. A equipe sentiu a ausência do atacante Thiago, que ficou de fora por conta de uma lesão. O Timbu queimava a gordura.
Léo Lemos/CNC
16ª rodada 12/8

Náutico 2x1 Sampaio Corrêa
Novamente pressionado, os alvirrubros voltaram a dar a resposta em uma nova vitória, de virada, com gols dos seus volantes. Josa empatou ainda no primeiro tempo e Jimenez, de pênalti na etapa final, deu ao Timbu a chance de se classificar já na rodada seguinte. 
Léo Lemos/CNC
17ª rodada - 17/8

Botafogo-PB 0x1 Náutico - A classificação
No mesmo estádio e contra o mesmo adversário que havia perdido a semifinal da Copa do Nordeste meses antes, o Náutico dessa vez voltou para o Recife com um final feliz. Em um confronto direto pela classificação às quartas de final, o Timbu, que precisava apenas de um empate, fez mais. Melhor em campo, venceu o Botafogo-PB por 1 a 0, e carimbou a sua vaga com uma rodada de antecedência. Também começava a brilhar a estrela do atacante Álvaro, que marcaria o primeiro de uma série de gols decisivos.
Leandro de Santana/Esp.DP
18ª rodada - 24/8

Náutico 3x1 Santa Cruz - O sabor de eliminar o rival
Enquanto o Náutico já estava classificado, o Santa Cruz chegava à última rodada precisando da vitória para também avançar às quartas de final. Combinação que alimentou durante a semana provocações de que os alvirrubros iriam 'facilitar' a vida dos corais. Porém, em campo, o que se viu foi o oposto. Dominando completamente a partida, o Timbu venceu o clássico por 3 a 1, garantiu o primeiro lugar no grupo e assistiu a temporada do rival acabar de forma precoce e melancólica. 
Léo Lemos/CNC
Quartas de final

Jogo de ida - 1/9

Paysandu 0x0 Náutico
Em um jogo marcado por um gramado pesado, muita tensão e poucas oportunidades de gol, o Náutico conseguiu um bom resultado em Belém. A decisão do acesso à Série B seria nos Aflitos. Lotado.
Paulo Paiva/DP Foto
Jogo de volta - 8/9

Náutico 2 (5) x (3) 2 Paysandu - Um jogo para sempre

O dia 8 de setembro de 2019 está na história do Náutico. Não por marcar a saída da Série C, divisão onde nunca deveria ter estado, mas pelo roteiro de um jogo que não sairá das lembranças dos alvirrubros. Um jogo que enterrou uma série de estigmas atribuídos ao clube. A de morrer na praia. A de fraquejar em momentos decisivos. O suposto trauma dos pênaltis. Contra o Paysandu, o Náutico foi o oposto de tudo isso. Com os Aflitos tomado por 16.662 torcedores (maior público do estádio no ano), após estar perdendo por 2 a 0, o Timbu buscou a reação no segundo tempo, empatando a partida em uma cobrança de pênalti aos 51 minutos. Na decisão por penalidades, Jefferson defendeu um, os alvirrubros converteram todos e o que se viu depois daí foi história, com a torcida invadindo o gramado para comemorar o acesso e exorcizar vários fantasmas.
Léo Lemos/CNC
Semifinal

Jogo de ida - 15/9

Juventude 2x1 Náutico
Apesar de sair na frente e da boa atuação da equipe, o Náutico acabou desperdiçando chances de ampliar e foi castigado ao sofrer a virada nos minutos finais após cobrança em que a bola tocou no travessão e voltou nas costas do goleiro Jefferson. 
Léo Lemos/CNC
Jogo de volta - 22/9 

Náutico 2 (4) x (3) 2 Juventude - Novamente nos pênaltis

Ainda com as lembranças vivas do jogo contra o Paysandu, o torcedor do Náutico se viu novamente envolvido em uma decisão por pênaltis. Dessa vez, após abrir 2 a 0 no tempo normal, o que garantiria a classificação no tempo normal, os alvirrubros tiveram uma queda de rendimento na etapa final e deixaram o Juventude diminuir e igualar o placar agregado. Nas penalidades, porém, os gaúchos desperdiçaram duas cobranças e coube novamente a Matheus Carvalho encerrar a série e levar o Timbu para uma decisão inédita.
Léo Lemos/CNC
Final

Jogo de ida - 29/9 - Náutico 3 x 1 Sampaio Corrêa - Passo importante para a taça

No derradeiro jogo do Náutico nos Aflitos na temporada que marcou o retorno oficial ao estádio, os alvirrubros conseguiram a quarta vitória seguida sobre os maranhenses na temporada (três pela Série C e uma pela Copa do Nordeste). Mais do que isso, a vantagem de dois gols deu a tranquilidade necessária para o jogo da volta. A taça da Série C começava a ganhar os traços em vermelho e branco.
Léo Lemos/CNC
Finalíssima - Álvaro foi o autor do primeiro gol, na partida diante do Sampaio Corrêa, que garantiu o primeiro título nacional do Náutico 
Léo Lemos/CNC
Com placar em 2 a 2, Náutico se torna campeão da Série C
1ª rodada - 28 de abril ABC 2x0 Náutico - Estreia com derrota Uma semana após perder nos pênaltis a final do Campeonato Pernambucano para o Sport, o Náutico estreava na Série C com um futebol apático e derrota por 2 a 0 para o ABC (que viria a ser rebaixado), em Natal. Do time que entrou em campo, seis jogadores atuaram também no jogo do acesso contra o Paysandu: o lateral Hereda, o zagueiro Diego Silva, os volantes Josa e Jimenez e os atacantes Thiago e Wallace Pernambucano, esse entrando no decorrer da partida. O técnico Márcio Goiano seria demitido duas rodadas depois, após a derrota para o Ferroviário, a única do time nos Aflitos.
O jogo
Para a decisão do campeonato nacional da Série C, ambos os times entraram com desfalques importantes. O Sampaio Corrêa não pôde contar com o atacante Roney, vetado após sentir entorse e o Náutico não teve o zagueiro Camutanga à sua disposição. Precisando do resultado, os maranhenses iniciaram a partida buscando pressionar o Timbu no campo de ataque para buscar o primeiro gol. 

A pressão fez efeito ainda no início da primeira etapa. Após escalada pela direita, o lateral Everton recebeu bola com liberdade na quina da grande área. O jogador teve tempo para pensar, cortar para dentro e arriscar um lindo chute de fora da área. Jefferson ainda saltou, mas nada pode fazer. Aos 13 minutos, o Sampaio reduzia a vantagem do Timbu, no Castelão, em São Luís. 

Mesmo com o primeiro gol saindo cedo, o Sampaio não cedeu e continuou apertando o Náutico. Os timbus tinham muita dificuldade para saírem jogando e erravam muitos passes na construção da jogada. A prova disso é que a primeira chance alvirrubra da partida só aconteceu aos 28 minutos, em chute de fora feito por Matheus Carvalho, que foi bem defendido por Andrey. O time maranhense deu uma resposta imediata com um chute de longe de Eloir, que foi espalmado por Jefferson. 

No último terço do primeiro tempo, o Náutico encaixou a marcação e começou a causar mais dificuldades ao Sampaio no campo ofensivo, porém, continuava com problemas para atacar devido à paupérrima produção do trio Matheus Carvalho, Álvaro e, principalmente, Wallace Pernambucano, que tocou na bola pouquíssimas vezes em 45 minutos. No último lance, o lateral Everton ainda teve chance na cobrança de falta frontal, mas bateu muito mal e a bola acabou subindo demais.
Confira as imagens da finalíssima da Série C entre Sampaio Corrêa e Náutico
 Ver todas
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa

Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Léo Lemos/CNC
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Em partida no Castelão, em São Luís, o Náutico conseguiu administrar sua vantagem, obtida nos Aflitos, em vitória por 3 a 1, e conquistou o título ao empatar em 2 a 2 com o Sampaio Corrêa
Segundo Tempo
A postura do time do Náutico na primeira etapa incomodou o técnico Gilmar Dal Pozzo, que já trouxe a primeira modificação dos vestiários. Saiu Wallace Pernambucano, que pouco participou da partida, e entrou Jefferson Nem. A postura mais ousada de resultados logo no primeiro ataque do Timbu no segundo tempo. Em cobrança de escanteio, Jean Carlos achou Álvaro na área e o homem dos gols decisivos do Alvirrubro pernambucano marcou seu sexto gol na competição, cinco deles no mata-mata. 

Após fazer o gol e retomar a sua vantagem de dois gols, o Náutico voltou a exibir a postura defensiva do primeiro tempo, mas dessa vez, explorando a velocidade do tridente de ataque nos contragolpes. O Sampaio Corrêa, por sua vez, tentava encurralar o Timbu em seu campo de defesa, mas sem conseguir criar chances claras de gol. 

No último terço do jogo, a partida entrou em um modo de trocação franca entre as duas equipes. O Sampaio adiantava todo o seu time, inclusive, sacando zagueiro Odair para a entrada do atacante Alex Henrique. O Náutico continuava se valendo dos contra-ataques rápidos para incomodar a defesa maranhense, assim, aos 36, Jefferson Nem recebe cruzamento de Wilian Simões, tenta tirar do goleiro Andrey e bate para fora.

Depois do gol perdido, saíram dois gols em sequência. Aos 38, em boa jogada de Rodrigo Andrade, o meia cruzou para o centroavante Salatiel Júnior, que só escorou, colocando o Sampaio à frente. No minuto seguinte, Matheus Carvalho recebeu bola em velocidade, entrou cara a cara com Andrey e, com tranquilidade, bateu na saída do goleiro da Bolívia Querida para marcar o gol do título Timbu. 

Nos últimos minutos, o time comandado por Gilmar Dal Pozzo apenas administrou a sua vantagem de dois gols, obtida ainda na primeira partida, vencida nos Aflitos por 3 a 1, mas não sem passar um susto. Após carrinho desnecessário na lateral de campo, o zagueiro Diego Silva foi expulso e a partir disso se iniciou uma confusão entre as duas equipes, porém, mesmo assim, não houve influência deste fato no placar. Foi com muita emoção, mas finalmente o torcedor do Náutico pode se orgulhar de ser campeão nacional. 
Ficha do jogo
Sampaio Corrêa 2
Andrey; Everton, Odair (Alex Henrique), Paulo Sérgio e João Victor; Ferreira, Lucas Hulk (Ulisses) e Eloir; Esquerdinha, Kaue (Rodrigo Andrade) e Salatiel Júnior. Técnico: João Brigatti

Náutico 2
Jefferson; Hereda, Diego Silva, Fernando Lombardi e Wilian Simões; Josa, Jhonnatan (Jiménez) e Jean Carlos; Matheus Carvalho, Álvaro (Danilo Pires) e Wallace Pernambucano (Jefferson Nem). Técnico: Gilmar Dal Pozzo

Local: Estádio Castelão, em São Luís (MA)
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP)
Assistentes: Fabrini Bevilaqua Costa (SP) e Fernanda Nândrea Gomes Antunes (MG)
Gols: Everton aos 13’ do 1º tempo, Salatiel Júnior aos 37’ do 2º tempo (Sampaio Corrêa); Álvaro aos 6’ e Matheus Carvalho aos 39’ do 2º tempo (Náutico)
Cartões amarelos: Everton (Sampaio Corrêa), Hereda (Náutico)
Cartão vermelho: Diego Silva (Náutico)

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados