Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

VÍDEO: Mourão critica fala de filho de Bolsonaro: "bastaria um cabo e um soldado para fechar o STF", Bolsonaro diz 'Eu já adverti o garoto'


Mourão critica fala de filho de Bolsonaro e lembra que PT já falou a mesma coisa
''Não é uma resposta correta e o próprio Bolsonaro já o desautorizou. Isso está totalmente fora de cogitação. Isso é impossível'', disse Mourão

"As Forças Armadas jamais iriam aceitar uma coisa dessas. Tem risco zero", acrescentou Mourão
Foto: Exército Brasileiro
Estadão Conteúdo

O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão, criticou a declaração do deputado Eduardo Bolsonaro de que "bastaria um cabo e um soldado" para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) e ressaltou que ele "já foi desautorizado" pelo presidenciável.

"Não é uma resposta correta e o próprio Bolsonaro já o desautorizou. Isso está totalmente fora de cogitação. Isso é impossível. As Forças Armadas jamais iriam aceitar uma coisa dessas. Tem risco zero", afirmou Mourão ao Broadcast Político, acrescentando: "O Jair Bolsonaro já pegou e deu uma chicotada em cima disso aí. Está errado. Não pode dizer isso".




Mesmo repudiando a fala do filho de Bolsonaro, o general se mostrou indignado com o fato de não ter tido a mesma repercussão declaração semelhante e "igualmente descabida" feita, em abril deste ano, pelo deputado federal Wadih Damous (PT-RJ).

O petista disse, em vídeo publicado em redes sociais, logo após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sido preso, que "tem que fechar o Supremo Tribunal Federal", que era preciso "redesenhar" o Poder Judiciário e fez diversas críticas ao ministro Luís Roberto Barroso, que segundo ele "ajudou a colocar o presidente Lula atrás das grades". Mourão lembrou que "estranhamente, isso não causou nenhuma comoção".

"Eduardo é um deputado. Nada mais do que isso, assim como o Wadih Damous. Ambos são deputados. O que ele (Eduardo) vai fazer? Ele, sozinho vai fechar o STF? Isso é um absurdo. Inexequível. Isso é fazer tempestade em copo d'água. Tem de criar um fato. Então, aparece uma frase do cara, dita de afogadilho, sem raciocinar sobre o que está falando, que não devia ter dito, numa palestra, e a oposição diz: vamos virar aqui", comentou.

O militar questionou: "E o que o deputado do PT disse? O deputado Wadih Damous falou que ia fechar o Supremo e ninguém falou nada. Passou batido. Ele pode? Só porque é do PT ele pode falar e ninguém reage? Quer dizer que o deputado Wadih do PT pode mas o deputado Eduardo do PSL não pode? Por quê? Só porque é o Wadih Damous do PT pode falar e ninguém reclama, ninguém se espanta ou cria comoção?"

Para o general Mourão, "a campanha do PT entrou no desespero dos perdedores, porque vão perder suas boquinhas e começam estes golpes baixos que, aliás, dominaram a campanha".

Lembrado que a fala do deputado Eduardo Bolsonaro está sendo considerada um desrespeito ao Supremo, o general Mourão, mesmo reiterando que a declaração de fechar STF é "descabida", respondeu citando que, em tempos de internet é preciso tomar cuidado com tudo que se fala.

"As pessoas têm de começar a se acostumar que, na era da internet e da digitalização, qualquer coisa que é falada agora é filmada e jogada na rede. Isso é mudança total na forma de se comunicar e ver o que vai falar. Tem de estar atento a essas coisas", disse. "A privacidade hoje está perdida. Tem de ver que há uma nova forma de serem divulgados os fatos", finalizou.

'Eu já adverti o garoto', diz Bolsonaro sobre fala de seu filho
O candidato do PSL minimizou a fala de Eduardo Bolsonaro de que ''basta um soldado e um cabo'' para fechar o Supremo Tribunal Federal

    "O garoto errou, foi advertido, vamos tocar o barco", disse o presidenciável
Foto: MAURO PIMENTEL / AFP
Estadão Conteúdo

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, minimizou a fala de seu filho Eduardo Bolsonaro, deputado federal eleito pelo PSL de São Paulo, de que "basta um soldado e um cabo" para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF). "Eu já adverti o garoto", afirmou o presidenciável, em entrevista ao SBT nesta segunda-feira (22). Ele também disse que "quem fala isso tem que buscar um psiquiatra". A declaração foi dada por Eduardo Bolsonaro num vídeo que veio à tona no fim de semana.

"É meu filho. A responsabilidade é dele. Ele já se desculpou. Isso aconteceu há quatro meses. Ele aceitou responder a uma pergunta sem pé nem cabeça, e resolveu levar para o lado desse absurdo aí. Temos todo o respeito e consideração com os demais poderes e o Judiciário obviamente é importante", declarou o presidenciável na entrevista. Eduardo Bolsonaro tem 34 anos e, graças ao sobrenome, foi eleito o deputado federal mais votado da história, com 1,8 milhão de votos.

Após vídeo, Eduardo Bolsonaro diz que 'nunca' defendeu o fechamento do STF
"Eu até fui pesado com meu garoto. Quem fala isso tem que buscar um psiquiatra. Ele já assumiu a responsabilidade, repito, e se desculpou. No que depender de nós, é uma página virada na história. Por outro lado, o Wadih Damous falou de forma consciente em fechar o Supremo, e não teve essa repercussão toda. O garoto errou, foi advertido, vamos tocar o barco", continuou, referindo-se a uma fala do deputado do PT crítica à atuação do STF no episódio envolvendo a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em segunda instância e que está preso no âmbito da Lava Jato há seis meses.



Última semana de campanha
Quanto à estratégia para esta última semana de campanha, Bolsonaro disse que os apoiadores estão sendo mobilizados via mídias sociais para que não haja "qualquer surpresa no dia 28". "Não existe o 'já ganhou'. Você tem que lutar até o último momento, ninguém é dono do voto de ninguém. Nosso pessoal está consciente em relação a isso."

Ele voltou a explicar por que descartou ir a debates de TV com o oponente Fernando Haddad (PT). "Parece que ele tem ponto eletrônico com um presidiário. Ele não é dono de si. Não tem autonomia pra falar nada. Debate não vai levar a lugar nenhum. Seria um bate-boca apenas."


Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados