Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Serraglio diz ter sofrido pressões de Aécio e Renan quando era ministro da Justiça; senadores contestam


Deputado ficou menos de 3 meses no cargo de ministro. Ele afirmou em discurso que Aécio pediu indicação de um delegado para a PF e atribuiu a Renan pressões que motivaram demissão.
Por Camila Bomfim, TV Globo, Brasília
                                            
Serraglio diz que sofreu pressão de Aécio e Renan quando era ministro

O deputado Osmar Serraglio (PP-PR) afirmou que quando era ministro da Justiça do governo Temer, no ano passado, sofreu pressões dos senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Renan Calheiros (MDB-AL).
Serraglio disse que Aécio tentou alterar o curso de investigações na Operação Lava Jato e que Renan Calheiros fez pressão contra ele. Segundo o deputado, essas pressões resultaram na demissão dele do ministério.
Em notas, as assessorias de Aécio Neves e Renan Calheiros contestaram as acusações de Serraglio (leia mais ao final desta reportagem).
A coluna da jornalista Lydia Medeiros, do jornal "O Globo" entrevistou o deputado Osmar Serraglio e perguntou de que forma ele foi pressionado por Aécio. Serraglio afirmou que vai dizer quando for chamado a falar sobre isso, como testemunha.
Na última terça-feira, enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) decidia que Aécio se tornaria réu por causa das acusações feitas por delatores do grupo J&F, o deputado fez um discurso no plenário da Câmara.
Sem mencionar diretamente o nome de Aécio Neves, o ex-ministro falou sobre pressões que teria recebido do tucano para aceitar a indicação de um delegado da Polícia Federal escolhido pelo senador.
"Quem já foi candidato a presidente da República e que foi colhido em ligação telefônica com o acusado Joesley Batista em que demostrava revolta com minha conduta quando ministro da Justiça por me recusar a ceder às suas pressões objetivando a indicação de delegado da PF de sua preferência para investigar suas ações delituosas", afirmou Serraglio.
No mesmo discurso, sem dar detalhes, ele disse que sofreu o mesmo tipo de pressão do senador Renan Calheiros.
"Pressões semelhantes advieram do senador Renan calheiros, ex-presidente do Congresso, multi-investigado pela PF. Por aí, já se descortinam algumas das razões de alto nível político-partidário que instabilizaram minha permanência na pasta", declarou.
Osmar Serraglio deixou o Ministério da Justiça em maio do ano passado. Não ficou nem três meses no cargo. Ele tomou posse em março e foi demitido em maio.

Em diálogo gravado pelo empresário Joesley Batista, delator na Operação Lava Jato, Aécio falou da insatisfação com Serraglio porque, de acordo com o senador, ele não controlava a PF e Lava Jato.
A partir dessas conversas e de depoimentos da delação de executivos do grupo J&F, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou a denúncia e transformou Aécio Neves em réu por corrupção passiva e obstrução de justiça. Agora, começará a primeira fase do processo: coleta de provas e depoimentos. Aécio ainda responde a outros oito inquéritos no Supremo.
O senador Aécio Neves (PSDB-MG), em foto de novembro de 2017 (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado/Arquivo) O senador Aécio Neves (PSDB-MG), em foto de novembro de 2017 (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado/Arquivo)
O senador Aécio Neves (PSDB-MG), em foto de novembro de 2017 (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado/Arquivo)
O que dizem os citados
Aécio Neves - Em nota, a defesa de Aécio Neves disse que o senador jamais tentou interferir na nomeação de delegados para a condução de qualquer inquérito e que essa questão é afeita exclusivamente à Polícia Federal.
A nota da defesa afirma ainda que todas as conversas que Aécio teve sobre o tema foram para mostrar inconformismo com inquéritos abertos, segundo a nota, "sem qualquer base fática e com a demora para conclusão deles".
Sobre os termos inadequados usados para se referir ao então ministro da Justiça, na conversa com Joesley Batista, a nota afirma que, na época, o senador telefonou para Osmar Serraglio na época, para se desculpar.

A defesa do senador reafirmou que não houve nenhuma atitude imprópria de Aécio e que lamenta que isso possa ter sido entendido de forma diversa.
Renan Calheiros - Em nota, Renan Calheiros disse que não se prestaria a falar com Osmar Serraglio e que virou oposição ao governo Temer justamente quando ele assumiu o ministério. A nota diz que ele jamais se relacionou com esse grupo político.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados