Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Médicos de Temer dizem que permanência no hospital é por segurança

O presidente passou por uma cirurgia para tratar de um estreitamento do canal urinário. Temer terá que usar uma sonda na uretra por duas ou três semanas

 Segundo os médicos Roberto Kalil Filho e Miguel Srougi, a permanência por mais tempo de Temer no hospital foi requisitada como medida de precaução / Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Após ser submetido na quarta-feira, 13, a uma pequena cirurgia para tratar de um estreitamento do canal urinário, o presidente Michel Temer terá que usar uma sonda na uretra por um período de duas a três semanas, informou nesta quinta-feira, 14, a equipe médica do peemedebista.

Segundo os médicos Roberto Kalil Filho e Miguel Srougi, a permanência por mais tempo de Temer no hospital foi requisitada como medida de precaução. Como toma remédios anticoagulantes desde antes de ser submetido à angioplastia, no mês passado, Temer está com o sangue mais fino e corre maior risco de passar por sangramentos, que são ocorrências típicas justamente da cirurgia a que ele se submeteu na quarta-feira.

Em coletiva realizada no hospital Sírio-Libanês, Kalil e Srougi reiteraram que Temer é um paciente saudável, mas que, por causa da sonda, foi orientado que o melhor seria adiar a viagem a quatro países da Ásia, programada para o início de janeiro.



De acordo com Srougi, que é urologista, o procedimento de quarta não estava programado, mas Temer já apresentava uma obstrução da uretra ligada a um procedimento mais antigo. Esse quadro foi constatado em outubro, quando o presidente foi submetido a uma cirurgia para desobstrução da uretra. "Mas naquele momento, deixamos a sonda por apenas três dias. Desta vez, vamos deixar mais tempo", ponderou.

Os médicos disseram ainda que, na outra ocasião, Temer foi submetido a uma biópsia da bexiga e da próstata, mas o resultado das duas foi normal. "Isto afastou qualquer quadro mais grave", disse Srougi, acrescentando que esses exames foram feitos por "excesso de precaução".

Cirurgias
Sobre as três intervenções cirúrgicas realizadas nos últimos três meses, os médicos disseram que são procedimentos corriqueiros e que, no caso das primeiras, o problema está resolvido. Em relação ao estreitamento da uretra, Srougi notou que é possível que o quadro volte a aparecer, mas salientou que eles vão trabalhar para minimizar esse risco.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados