Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Lula pede a Moro que suspenda interrogatório de setembro

O petista é acusado de corrupção passiva por propinas da empreiteira Odebrecht

O interrogatório está marcado para o dia 13 de setembro / Foto: Juca Varella/ Agência Brasil

Foto: Juca Varella/ Agência Brasil
Estadão Conteúdo


A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva requereu nesta quinta-feira (17) ao juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, suspensão do novo interrogatório do ex-presidente, marcado para 13 de setembro, no processo em que o petista é acusado de corrupção passiva por propinas da empreiteira Odebrecht para compra de terreno supostamente destinado à construção de uma futura sede do Instituto Lula.

Na mesma petição, os advogados pediram ao magistrado que determine ao Ministério Público Federal a apresentação de todas as correspondências trocadas com o Ministério Público da Suíça sobre o sistema "My Web Day" - exibindo, inclusive, a via eletrônica dos documentos para que sejam submetidos à perícia.

Leia Também

    Lula inicia caravana pelo Nordeste em um esforço para se reinventar
    Lula começa nesta quinta caravana de 20 dias por 25 cidades do NE
    Supremo retira da responsabilidade de Moro delações da JBS sobre Lula

Segundo os advogados de Lula, a força-tarefa do Ministério Público Federal na Lava Jato informou que não teve acesso à "cópia integral" do sistema, embora um delator da Odebrecht tivesse declarado "estar na posse da chave correspondente". A defesa do ex-presidente alega que o colaborador se "retratou" dessa afirmação, cinco dias após ter requerido o acesso ao "My Web Day".


Ao requerer a suspensão dos interrogatórios marcados para setembro, inclusive o de Lula, a defesa argumentou necessidade de submeter ao contraditório papéis que foram juntados no dia 3 de agosto pelo Ministério Público, "após a realização de 34 audiências e a oitiva de 97 testemunhas".

"O Ministério Público Federal promoveu a juntada tardia de papéis ao processo, impedindo que a defesa pudesse indagar às testemunhas sobre esse material", afirmam os advogados do ex-presidente. "Há necessidade de dar oportunidade para que as testemunhas indicadas pela defesa sejam reinquiridas. A juntada desses papéis também não foi acompanhada de qualquer indicação de origem e devem ser objeto de uma perícia."

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados