São João de Aroeras dia 23

PF cumpre novo mandado da Lava Jato em Pernambuco



Quinto mandado foi realizado em apartamento de prédio na avenida Boa Viagem

Com exclusividade, o Jornal do Commercio presenciou o quinto mandado de busca e apreenção no bairro de Boa Viagem / Foto: Marcela Balbino/ Especial para o JC Imagem

Foto: Marcela Balbino/ Especial para o JC Imagem
Editoria de Política


A Polícia Federal, em conjunto com a Procuradoria-Geral da República, deflagrou nesta terça-feira (21) a Operação Satélites, nova fase da Operação Lava Jato autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Com exclusividade, o Jornal do Commercio presenciou o quinto mandado de busca e apreensão no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, no edifício Maria Angela Lucena. Ainda não se tem informação de quem seria o apartamento.

Leia Também

    Nova ação da Lava Jato é a 1ª com base em delações da Odebrecht
    TCU faz acordo com Lava Jato para livrar empreiteiras de punição
    PF cumpre mandados de nova fase da Lava Jato em Pernambuco

No Recife, cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos, sendo três em Boa Viagem, um na Imbiribeira, na Zona Sul do Recife, e também um no Janga, em Paulista.

Ao todo, foram cumpridos 14 mandados em 13 endereços nas cidades de Brasília/DF, Maceió/AL, Recife/PE, Rio de Janeiro/RJ e Salvador/BA. O objetivo é investigar indícios dos crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.
Mandados da Lava Jato cumpridos no Grande Recife

Mídias de computadores e documentos fiscais foram recolhidos em endereços do Grande Recife. As medidas são contra pessoas ligadas a senadores. No Estado, um dos alvos é Mário Barbosa Beltrão, empresário ligado ao senador Humberto Costa.

Nova fase da Lava Jato

De acordo com a Polícia Federal, essa é a primeira vez em que são utilizadas informações dos acordos de colaboração premiada firmados com executivos e ex-executivos da Odebrecht. Os acordos foram homologados pelo STF em janeiro deste ano.

Trata-se da 7ª fase da Operação Lava Jato que apura o envolvimento de pessoas com prerrogativa de foro junto ao STF. Outras três foram realizadas em 2015, duas em 2016 e uma em fevereiro deste ano.   Os alvos desta etapa não são políticos, mas pessoas ligadas aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Humberto Costa (PT-PE), Eunício Oliveira (PMDB-CE) e Valdir Raupp (PMDB-RO).                    
Humberto Costa
Foto: Agência Senado

Em depoimento que faz parte de sua delação premiada, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou que o esquema de propinas e corrupção na Petrobras repassou R$ 1 milhão à campanha de Humberto Costa para o Senado em 2010.

Segundo O Estado de S. Paulo, Paulo Roberto afirmou que o dinheiro foi solicitado pelo empresário Mário Barbosa Beltrão.
Renan Calheiros
Foto: Agência Brasil

Acusação apresentada ao Supremo em dezembro do ano passado pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, aponta que o peemedebista teria recebido propina de R$ 800 mil do esquema de corrupção na Petrobras por meio de doações eleitorais ao PMDB, em 2010.
Valdir Raupp
Foto: Agência Senado

Raupp é acusado de ter recebido R$ 500 mil para a sua campanha ao Senado em 2010, que, apesar de terem sido repassados via doações oficiais, teriam sido desviados do esquema de corrupção instalado na Petrobras, de acordo com a PGR. O senador nega irregularidades. A denúncia será julgada pelos cinco ministros que compõem a Segunda Turma do STF.
Eunício Oliveira
Foto: Agência Senado

Eunício Oliveira (PMDB-CE) era conhecido entre os executivos da Odebrecht como o "índio", apelido utilizado pelo chamado departamento de propinas da empreiteira para se referir ao parlamentar.

O ex-diretor de Relações Institucionais da empresa Cláudio Melo Filho afirmou em sua colaboração premiada que o agora segundo homem na linha de sucessão presidencial teria recebido cerca de R$ 2,1 milhões em propinas entre outubro de 2013 e janeiro de 2014.

Reacções:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

AO VIVO SÃO JOÃO DE AROERIAS