São João de Aroeras dia 23

Setor automotivo, da Jeep, também é atingido por alta na carga tributária de Paulo Câmara a partir deste dia 1º

Jornal do comércio
    
Paulo Câmara (ao centro) em visita à fábrica da Jeep. Foto: Hélia Scheppa/ Arquivo JC Imagem

 Em uma medida para arrecadar até R$ 100 milhões para o caixa estadual, o governo Paulo Câmara (PSB) aumentou a partir desta segunda (dia 1º) a carga tributária de setores que receberam forte incentivo fiscal nas duas gestões Eduardo Campos, também do PSB. São indústrias que vão ter de contribuir com o chamado Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF), calculado com base em 10% do que receberam de benefícios fiscais do governo estadual.

Após certa expectativa no setor, no sábado (30) o governo formalizou a lista de indústrias atingidas pela medida. Entre elas está a indústria automotiva, cadeia que tem na Jeep de Goiana seu maior símbolo. A indústria, afinal, faz parte de toda uma leva de novos investimentos nacionais no setor automotivo e foi muito festejada por Eduardo Campos e o então presidente Lula (PT), quando anunciada.

Em crise, governo Paulo Câmara reduz parte do benefício fiscal da refinaria para arrecadar mais

Governo Temer cogita vender participações da Chesf em projetos, diz ministro

Brasil está atrasadíssimo na estrutura do ensino médio, diz ministro. Ele criou comitê para reforma
O tema é econômico e ao mesmo tempo político. Pois a cobrança extra para a indústria, para socorrer o governo neste momento de crise, já vinha sendo discutida com o setor industrial e gerou mal-estar com alguns empresários e consultores, que se queixaram de quebra na previsibilidade das regras tributárias. Como a lei que criou o fundo não definia os setores atingidos, a expectativa era tentar utilizar a via política para restringir o impacto da elevação da carga tributária.

Não teve jeito. Além do Prodepe, o programa mais genérico de benefícios fiscais de Pernambuco, há três setores com benefícios específicos e que foram afetados: automotivo, portuário e da indústria calçadista.

Um convênio aprovado no início de maio pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) permite a cobrança de volta, pelos governos estaduais, de 10% dos benefícios fiscais já concedidos à indústria. Mas desde então a cobrança ainda não estava regulamentada, o que provocou intensa troca de recados tanto publicamente quanto nos bastidores entre representantes da indústria e do governo estadual.

A regulamentação do fundo, confirmando os setores atingidos, foi publicada no Diário Oficial do Estado do sábado (30).
Reacções:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

AO VIVO SÃO JOÃO DE AROERIAS