Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Pernambuco não interrompe a vacinação de adolescentes contra a Covid-19

16.9.21

/ por casinhas agreste

Jovens de 12 a 17 anos continuarão recebendo o imunizante da Pfizer/BioNTech


André Longo, secretário estadual de Saúde de Pernambuco 
FOLHA PE

Apesar de o Ministério da Saúde ter recuado sobre a recomendação de vacinar adolescentes entre 12 e 17 anos contra a Covid-19 usando o imunizante da Pfizer/BioNTech, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) informou, em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira (16), que não suspenderá as aplicações nesse público até que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se pronuncie oficialmente.  

De acordo com o titular da SES-PE, André Longo, os órgãos que representam as secretarias de Saúde estaduais (Conass) e municipais (Conasems) enviaram documento para a Anvisa solicitando uma posição do órgão a respeito do assunto. 

"Fomos pegos de surpresa com essa informação da suspensão. O Conass e o Conasens fizeram um documento para a Anvisa, que é o órgão que regulamenta o uso de vacinas no Brasil. E a Pfizer tem registro definitivo de uso no Brasil. Quem pode se manifestar (sobre a suspensão) é a Anvisa e, até agora, não houve nenhuma recomendação. Então, Pernambuco segue a vacinação”, disse Longo. 

Segundo ele, a decisão anunciada pelo Ministério da Saúde não foi tomada de forma tripartite, com a participação da pasta federal, do Conass e do Conasens, além da Câmara Técnica do Programa Nacional de Imunizações (PNI). 

"Infelizmente, o Ministério da Saúde, sem combinar com os estados e municípios, fez esse comunicado de forma apressada. Justo no dia em que a própria Sociedade Brasileira de Pediatria se manifestou favorável à vacinação. Realmente, pegou a todos de surpresa”, comentou o secretário de Saúde de Pernambuco. 

"Vários estados estão até revoltados com essa postura levada a público pelo MS quando, na verdade, devia ter sido feita uma reunião, ouvido a Câmara Técnica do PNI e submeter as informações à Anvisa, que foi quem autorizou o uso da vacina Pfizer nesse público de 12 a 17 anos.”

Leia também
• Secretários pedem que ministério autorize mistura de vacinas e priorize 3ª dose de idosos• Chile reabre fronteira para turistas vacinados a partir de outubro• Saúde recomenda suspender vacina em adolescentes sem comorbidades• Pernambuco recebe mais 118.170 mil doses de vacina da Pfizer
André Longo detalhou ainda que, no Brasil, cerca de 3,5 milhões de adolescentes já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19, tendo sido registrados 1.500 efeitos adversos.


“É um índice muito baixo. E a maioria foram casos leves”, pontuou, afirmando que um caso suspeito mais grave ainda não pode ser atribuído à vacina sem que haja devida investigação.  

"Não há espaço para decisões políticas no PNI. Isso (suspensão) é uma decisão técnica. Havendo tecnicidade nas decisões, elas serão seguidas”, afirmou, revelando ainda que alguns adolescentes foram vacinados, de forma equivocada, com os imunizantes AstraZeneca/Oxford/Fiocruz e CoronaVac/Butantan. 

“Esses casos devem ser tratados de forma específica. Com a Pfizer, temos segurança. Essas outras vacinas não devem ser utilizadas (no público de 12 a 17 anos) e os que tomaram devem ser acompanhados."

"A vacina da Pfizer é autorizada nos EUA, em grande parte da Europa. Como todo medicamento, as vacinas têm eventos adversos, que vão de leve a mais grave. Qualquer evento adverso mais sério precisa ser investigado. A informação que temos hoje é que a vacina da Pfizer é segura para ser usada em adolescentes. Estamos aguardando a posição da Anvisa. Mas queremos reforçar a segurança do que estamos falando, baseado em evidências sólidas. Outra ressalva, a OMS continua preconizando a vacina da Pfizer para adolescentes”, reforçou o representante da Sociedade Brasileira de Imunizações em Pernambuco, Eduardo Jorge. 

O cenário que agora envolve a vacinação dos adolescentes gera temor nos gestores pernambucanos em relação a uma evasão nos postos de imunização.

Segundo André Longo, que já havia se pronunciado sobre uma baixa procura desse público, existe uma dificuldade natural nessa faixa etária, que é a dependência de um responsável para poder receber a vacina. 

“Qualquer ruído de comunicação com esse público gera incerteza e pode atrapalhar o avanço. Numa campanha de vacinação como essa, na qual queremos atingir 90% de cobertura, qualquer falha de comunicação pode afastar as pessoas do propósito de atingir metas. Quem ganha com isso são as pessoas contrárias às vacinas”, concluiu. 

Para esta sexta-feira (17), está prevista reunião com os membros do programa de imunização em Pernambuco, junto aos secretários municipais de Saúde para abordar a temática. 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados