Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Náutico de olho no mercado internacional


Técnico do Náutico, Márcio Goiano, vai se reunir com dirigentes para observar jogos no exterior, analisando atletas estrangeiros

Por: William Tavares 
Márcio Goiano, técnico do Náutico
Foto: Paullo Allmeida/Arquivo Folha

Assim que definir todas as renovações pendentes, o Náutico iniciará a busca por reforços, trazendo atletas que podem falar espanhol. Ao lado do gerente de futebol do clube, Ítalo Rodrigues, o técnico Márcio Goiano fará uma viagem internacional para observar nomes de outros países sul-americanos. A ideia é garimpar peças que podem chegar sem grande custo aos cofres, com potencial de crescimento.

"Queremos ver alguns jogos de fora e observar atletas que possam se ajustar ao perfil que queremos", afirmou o treinador. Nesta temporada, o Náutico contratou três atletas estrangeiros. Um deles, inclusive, não entrou em campo. O lateral-esquerdo colombiano Hugo Acosta sequer foi regularizado, passando apenas um mês no clube. Os demais foram os paraguaios Ortigoza e Jiménez. O primeiro foi o destaque da temporada, artilheiro do clube com 13 gols em 26 jogos. O Timbu até tentou segurá-lo para 2019, mas o centroavante optou por acertar sua transferência para o Paraná. O compatriota é o único que permanece. O volante participou de apenas seis partidas em 2018, marcando um gol.

Nos últimos 20 anos, o Náutico colecionou alguns nomes estrangeiros em seu elenco. Vice-artilheiro do Brasileirão 2007, com 19 gols, o uruguaio Acosta trouxe um retorno acima do esperado. Após passagem pelo Corinthians, ele voltou a atuar pelo Alvirrubro em 2009, sem o mesmo sucesso. Antes dele, o compatriota Cláudio Millar (1999 e 2001) não teve grande desempenho. Convivendo com problemas de sobrepeso, o lateral-esquerdo chileno Escalona (2007) ficou apenas quatro meses. Um ano depois veio colombiano Ricardo Laborde, contratado para suprir a saída de Acosta. O jovem atacante mostrou sérias deficiências (principalmente em finalização) e não brilhou. Em 2009, após vencer uma quebra de braço com o Sport, o Timbu trouxe o meia Daniel “Chucky” González, que marcou apenas um gol.

Outros nomes tiveram pouco sucesso no Náutico, caso dos argentinos Andrés Romero (2012) e Diego Morales (2013), e dos venezuelanos Breitner (2012) e Peña (2013). Lembrado apenas pelo gol marcado contra o Sport na Sul-Americana 2013, o centroavante uruguaio Olivera saiu brigado do clube após ser proibido de treinar pelos dirigentes da época. Compatriota do centroavante, o zagueiro Mario Risso vestiu a camisa alvirrubra em apenas oito jogos em 2014, mesmo ano em que o argentino Cañete atuou.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados