Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Lula mandou votar em nós, diz Haddad ao lado de Paulo Câmara na cidade natal do ex-presidente


Fernando Haddad visitou Caetés e Garanhuns, no interior de Pernambuco, e foi chamado de 'Andrade'
O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) em sua primeira agenda de campanha na cidade natal do ex-presidente Lula (PT)
Fotos: Andréa Rêgo Barros/PSB
Ana Maria Miranda e Paulo Veras
“Lula mandou votar em você?”, questionou uma senhora ao ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), em Caetés, cidade do Agreste pernambucano em que o ex-presidente nasceu. “Lula mandou votar em nós. Nós somos uma chapa só”, respondeu o atual candidato a vice e “plano B” do PT na corrida presidencial. Um dia após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) barrar a candidatura de Lula ao Planalto com base na Lei da Ficha Limpa, o ex-prefeito de São Paulo visitou a terra do padrinho político e Garanhuns. Gravou para o guia eleitoral e realizou um caminhada.









Embora Haddad ainda não tenha sido oficializado como candidato presidencial do PT, muitos populares pararam para tirar selfies com ele durante a campanha no interior pernambucano. No Aeroporto de Garanhuns, curiosos perguntavam por “Andrade” ao procurar pelo petista. A pouco mais de um mês do primeiro turno, o desafio do PT é transferir para o ex-prefeito parte dos 37% do eleitorado que pretendia votar em Lula, segundo pesquisa Ibope mais recente.

Haddad desembarcou com uma camisa de botão clara, mas trocou por uma camiseta vermelha com a foto de Lula antes de encontrar com os eleitores. “Se Lula mandar votar num jumento, eu voto”, afirmou Josefa dos Santos, de 62 anos, que esperava o ex-prefeito de São Paulo do lado de fora de um sítio onde Haddad gravava imagens para o guia eleitoral. “Lula foi o melhor presidente para o Estado de Pernambuco. A gente vai pedir voto para o candidato que ele apoiar. Ele nasceu aqui e sabe dar valor aos pobres. Foi presidente e nunca se esqueceu de nós”, justificou.

Leia Também
Barrado, Lula tem mais exposição que Haddad no programa eleitoral do PT
Em Garanhuns, Haddad afirma que PT vai recorrer a decisão do TSE
Haddad vai à terra natal de Lula e é recebido por Humberto Costa
Na terra de Lula, Haddad é chamado de 'Andrade'
Lula já indicou Haddad como substituto na corrida presidencial, diz Humberto
A técnica de enfermagem Maria do Carmo Ferro, 40 anos, veio da cidade de Iati para a caminhada. Segundo ela, quatro ônibus com simpatizantes do PT saíram de lá. Maria do Carmo conta que decidiu ir a Garanhuns para saber mais sobre Haddad, sobre quem admitiu não conhecer detalhes. Segundo ela, se Lula não for candidato, vai avaliar se o ex-prefeito de São Paulo segue a mesma linha dele antes de decidir em quem votar.



O motorista José Carlos da Silva, 42 anos, saiu de Brejão, a 24 km, com a esposa para o ato. Ele falou que é simpatizante do PT, mas só votará se o candidato for Lula, mesmo preso. Se for Haddad, ele disse que não vota por acreditar que ele “foi o pior prefeito de São Paulo”. Agora, ele pensa em votar no ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT).

Opiniões sobre Haddad
O ator Álvaro Melo, 56 anos, esperava que a caminhada fosse mais forte e se queixou de a população estar desacreditada com a política. Morador de Garanhuns, ele acha que Haddad fez um trabalho excelente em São Paulo e prometeu votar nele se Lula não for candidato.

Moradora de Garanhuns, a psicopedagoga Suelane Galvão, 55 anos, estava na porta de casa vendo a movimentação, mas disse que nunca votaria em Lula. Eleitora do governador Paulo Câmara (PSB), ela descobriu durante a caminhada que ele está do lado de Lula na campanha e confessou não ter gostado.

Do lado petista, a pedagoga Santa Isabel, de 40 anos, acredita que muita gente que apoia o PT não compareceu porque não gosta de Paulo Câmara. Ela classificou como uma “aliança doida” que o PT fez. Também moradora de Garanhuns, ela indicou que votaria em Haddad para presidente, mas confessou que ainda não sabe quem escolher para governador.

Neste domingo (2), Haddad faz campanha em Alagoas, ao lado do governador Renan Filho (MDB). É o último dos nove Estados do Nordeste que ele visitou durante o giro de duas semanas pela região que é reduto do lulismo.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados