Responsive Ad Slot

Últimas Notícias

latest

Morre centésimo policial militar no Rio neste ano



José Cavalcante e Sá foi baleado na cabeça com um tiro de fuzil, na manhã deste sábado (26), na porta de casa

Por: Folhapress
 
Click AQUI E SAIBA AS CAUSA DA MORTE DE CADA UM

O sargento José Cavalcante e Sá foi o centésimo policial militar a morrer neste ano no Rio de Janeiro ao ser baleado na cabeça com um tiro de fuzil, na manhã deste sábado (26), na porta de casa, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

As circunstâncias em que o sargento foi baleado parecem ser típicas do perfil de mortes de PMs no Estado: fora de serviço, no fim de semana e na Baixada Fluminense, região que tem o maior número dessas mortes. O policial não estava uniformizado quando foi baleado. Ainda não está claro se ele estava de folga ou se ia ou voltava do trabalho. Tampouco se sabe o que motivou o assassinato.

Em 2017, o Estado teve um PM morto a cada dois dias. O número inclui mortos em serviço, em folga e inativos, todos vítimas de ações violentas. Nesse ritmo, caminha em direção à assombrosa marca de 200 casos em um ano - o maior número foi atingido em 1994, quando morreram 227 policiais.

Leia também:
Militares reduzirão presença nas ruas do Rio de Janeiro
Forças Armadas estão prontas para atuar no Rio de Janeiro, diz Jungmann
Morre bebê baleado no útero da mãe no Rio de Janeiro

Essa matança de PMs no Rio chama mais a atenção se comparada a dados paulistas. O Estado de São Paulo registrou 22 policiais militares mortos de folga ou em serviço no primeiro semestre deste ano, sendo que a PM paulista tem quase o dobro do efetivo do Rio -87 mil agentes, ante 45 mil- e mais que o dobro da população -45 milhões de habitantes, contra 17 milhões.

Já os homicídios após oposição a intervenção policial aumentaram 45% neste ano no Rio. Foram 551 mortes por policiais no primeiro semestre de 2017, ante 400 no mesmo período do ano passado.

No Rio, as causas das mortes de PMs são variadas. São alvejados em serviço, andam armados em folga e reagem a assaltos, são identificados como policiais, mesmo de folga ou já aposentados, e acabam assassinados em seguida.

A série da estatística policial, iniciada em 1994, mostra que nada disso é novidade. No ano em que houve menos mortes desde então, em 2011, foram 108 casos. No entanto, agora, todos os fatores que levam à morte de policiais foram exacerbados com a crise econômica que deixa um rombo de R$ 21 bilhões nos cofres fluminenses e uma série de servidores e pensionistas com vencimentos atrasados.

A quantidade de assassinatos explodiu em 2016, coincidindo com o mergulho do Rio em crise financeira de proporções inéditas -foi de 118, em 2015, para 147, em 2016.
Os dados de mortes em serviço são o retrato desse retrocesso -o número dessas mortes entre janeiro a junho estão em dois dígitos desde 2014, remontando aos primeiros anos deste século.

O risco da profissão já havia tornado comum entre eles algumas estratégias de sobrevivência, como evitar deixar a farda a vista em casa, para policiais que vivem em vizinhanças dominadas pelo tráfico. No entanto, com o recrudescimento da violência, esse medo se espalhou.

Crimes em alta
No Estado, homicídios e roubos em geral também estão em alta. PMs são vítimas frequentes de assalto e, por andarem armados, são mortos ao reagirem ou serem identificados.

"Existe essa cultura na formação do PM e na sociedade em geral. O policial é visto como um defensor da sociedade mesmo na folga. Se vê um assalto, vai tentar intervir, por achar que, se não fizer isso, estará cometendo desvio de função. Se ele for o assaltado, provavelmente vai reagir antes do que um cidadão comum, mesmo um armado", diz o coronel Ibis Pereira, que foi comandante interino da PM do Rio de Janeiro.

Muitos PMs costumam fazer os chamados bicos, trabalhando principalmente como seguranças privados, para complementar suas rendas. Já o Regime Adicional de Serviço, que permite que policiais militares e civis trabalhem na folga para as próprias polícias, complementando a falta de efetivo, não é pago desde setembro do ano passado. Policiais também não receberam o 13º salário.

A política de segurança pública vem sendo desmontada pela crise. Não há recursos para contratar aprovados em concurso. A política de Unidades de Polícia Pacificadora ruiu - estudo da PM cita 13 confrontos em áreas com UPP em 2011, contra 1.555 em 2016.

Nesse vácuo, o número de confrontos entre grupos criminosos aumentou, o que, por sua vez, atrai a polícia e gera mais embates com traficantes mais bem armados.
Segundo o coronel Ibis, as mortes de PMs decorrem também da forma como a política de segurança é concebida.

As ações, diz, não estão voltadas às grandes apreensões de drogas, mas para o varejo, dentro das favelas, onde o tráfico tem grande poder de fogo.
Segundo o coronel Fabio Cajueiro, que coordenou uma análise de vitimização policial, há cerca de um ano a PM incluiu em seu treinamento um curso que dá instruções sobre como agir em folga.

O secretário de Segurança, Roberto Sá, disse, no enterro de um policial civil neste fim de semana, que acha que é preciso fazer mudanças na legislação para torná-la mais rígida, principalmente contra quem porta fuzis.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Veja também
© Todos os Direitos Reservados